ANÚNCIO

A queda para uma vazão de 2.324 litros por segundo no Rio Meia Ponte levou a fiscalização da secretaria do Meio Ambiente e a PMGO a reprimir o uso da água na irrigação durante o dia.

Novamente, foram alertadas da possibilidade de sequestro das bombas se não for obedecida a ordem de uso da água apenas no horário noturno.

Em nota, a SEMAD, informou que a vazão voltou à média dos últimos 23 dias.

ANÚNCIO


A fiscalização flagrou o uso da irrigação em algumas propriedades e fotografou a desobediência ( Veja na foto, fonte Semad )

-———

Nota-Semad

 

A Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) do Governo do Estado de Goiás informa que, em face do monitoramento contínuo da vazão do Rio Meia Ponte, constatou uma redução significativa neste final de semana, o que resultou em esforço adicional de captação de água da bacia, tanto por parte da Saneago (no limite da outorga) quanto de outros usuários (provavelmente em sua maioria fora dos limites da outorga).

 

Em razão disso, foram tomadas providências enérgicas para a retomada dos níveis de vazão que permitem manter a estabilização verificada nos últimos 23 dias.

 

Na manhã deste domingo (08/09), a vazão do Meia Ponte caiu para 2.324 litros por segundo, abaixo da média registrada desde 14 de agosto deste ano (2.700 l/s). A fiscalização foi intensificada, com a participação ativa das equipes da própria Semad e da Polícia Militar (PMGO). 

 

A presença intensa das forças de fiscalização nesta manhã de domingo já refletiram positivamente, tanto é que ao meio-dia a vazão do Meia Ponte teve um início de recuperação e chegou a 2.887 l/s. 

 

O Governo de Goiás, por meio da Semad, faz um veemente alerta aos produtores que utilizam irrigação para não efetuá-la durante o dia e atenderem estritamente aos limites da outorga reduzida em 50%. É preciso autorresponsabilidade de todos. Agir à margem da lei constitui infração e crime ambiental passível de severas punições. 

 

A fiscalização continuará intensa e ainda mais rigorosa. Os que forem alcançados, com práticas irregulares, serão penalizados com o lacre e até apreensões de bombas.

 

As ações vão recrudescer para que a média da vazão do Rio Meia Ponte permaneça nos 2.700 l/s, não havendo motivação, nesse momento em que a seca e o calor se estendem, em aumentar o uso de água na bacia. É necessário e urgente evitar sacrifícios à sociedade por meio do racionamento e, eventualmente, até da suspensão das outorgas.

 

A Semad conclama, ainda, os municípios de Goiânia e da região metropolitana a participarem de um esforço comum para intensificar ações de fiscalização contra o desperdício em áreas urbanas, que não são de competência do Estado, com vistas a reduzir o consumo nas cidades. Se todos cooperarem, num grande ato solidário, com certeza atingiremos o objetivo de superar o período crítico da crise hídrica sem necessidade de racionamento ou adoção de medidas mais duras. Pedimos o apoio e a participação de todos. 

 

Por fim, a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) do Governo do Estado de Goiás reitera o apelo à população para que limite ao máximo o consumo de água e evite toda e qualquer forma de desperdício. Cada família pode atuar também como um fiscal no seu bairro, por meio da conscientização de todos para que preserve esse bem essencial para a nossa vida.

 

Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) do Governo do Estado de Goiás

Comentários

comentarios

ANÚNCIO