Reajuste do transporte coletivo está no contrato, mas há condições

Entre os diversos temas abordados durante entrevista na tarde desta terça-feira, 11, durante a primeira edição do Jornal Anhanguera, o prefeito de Goiânia, Iris Rezende, reconheceu que o transporte coletivo é um dos temas mais complexos de sua gestão e que tem dedicado atenção especial no sentido solucionar os problemas do sistema, que atende a Região Metropolitana da Capital.

“Tenho me reunido com todas as partes envolvidas na questão do transporte coletivo com o objetivo de encontrarmos soluções imediatas para o assunto”, afirmou o prefeito, lembrando a constante cobrança às empresas para o cumprimento do contrato vigente.

Segundo o prefeito Iris Rezende, a correção do valor da tarifa do transporte coletivo precisa ser discutida, levando em consideração que há previsão contratual. “Solicitamos o imediato compromisso, por parte das empresas que operam o sistema do transporte, a disponibilidade de mais ônibus nas linhas da Capital”.

ANÚNCIO


O prefeito informou que foram colocados 50 novos ônibus em linhas de Goiânia e que, de acordo com cronograma, mais 100 serão disponibilizados aos usuários do transporte da cidade. “Estamos cobrando celeridade no cumprimento das cláusulas do atual processo e, se for preciso, não teremos problemas em tomar a atitude realizar uma nova licitação”, frisou.

Na oportunidade, o chefe do Executivo Municipal aproveitou também para anunciar uma medida que vai auxiliar no deslocamento dos moradores da Capital. “Vamos disponibilizar linhas internas para alimentar os bairros da cidade, sem a necessidade das pessoas passarem por terminais e, assim, chegar ao destino desejado com mais rapidez”.

Iris comentou que a medida já foi anunciada e aprovada, inclusive, pelo prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha.

BRT

Questionado sobre as obras do Bus Rapid Transit (BRT) Norte-Sul, o prefeito Iris Rezende lembrou que assumiu a administração municipal com todas as obras paralisadas. As que contavam com recursos federais, tinham problema de contrapartida, e as que eram executadas com recursos próprios, tinham problemas com os pagamentos.

“O BRT era a maior que estava paralisada, mas já negociamos com o consórcio e vamos pagar os atrasados”. O prefeito mencionou que a única observação que faz e que pretende debater com a sociedade, é o fato se a obra deve ou não passar pela Avenida Goiás.

“A minha opinião é que devemos preservar o Centro da cidade, mas não sou o dono da verdade e estou aberto ao debate sobre o assunto”, ponderou Iris, acrescentando que a decisão da sociedade será acatada pela administração municipal.

Comentários

comentarios

ANÚNCIO