Produtores de leite buscam melhores condições para a produção (foto Fredox Carvalho)
Produtores de leite buscam melhores condições para a produção (foto Fredox Carvalho)
ANÚNCIO

Mais de 300 produtores compareceram na reunião da Comissão de Pecuária de Leite da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás, onde foi debatido os desafios do mercado do leite.  A mesa foi composta pelo presidente da FAEG José Mário Schreiner, o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras em Goiás (OCB-GO), Joaquim Guilherme Barbosa, o presidente da CENTROLEITE, Pedro Barbosa de Oliveira, o Deputado Estadual Eleito, Amauri Ribeiro e o Secretário de Agricultura, Pecuária e Irrigação de Goiás, Antônio Carlos de Souza Lima Neto.

Representantes de Sindicatos e Cooperativas Rurais de vários municípios do estado também estiveram presentes. Entre os temas apresentados estão as perdas causadas pela importação de leite em pó da Argentina e Uruguai, a necessidade de aumentar o consumo do leite no Brasil e a exportação, a regulamentação e normatização entre produtores de leite, laticínios e governo, além de outros. Mas o maior debate foi em torno da negociação do preço do litro do leite antecipado ao produtor, para que o mesmo possa se planejar.

“O produtor fica muito sem base. Ele não sabe se tem que aumentar a produção ou reduzir custo e normalmente ele tem uma visão de precisar ser tutelado pelo estado ou pelo governo federal e isso é muito difícil de ser feito. Então o produtor precisa entender que nós temos que defender isso diante da indústria, nos posicionar. Chegou na hora dessa discussão acontecer. Afirmou o presidente da Comissão de Pecuária de Leite da FAEG, José Renato Chiari.

ANÚNCIO


Os produtores de leite interagiram bastante durante o evento, deram várias sugestões, expondo suas necessidades.  Ao final foi redigido um documento denominado “Carta dos produtores de Leite de Goiás”. O primeiro item detalhado diz respeito à negociação de todos os produtores junto aos laticínios para que estabeleçam e divulguem o preço do litro do leite a ser pago no mês seguinte até o dia 25 do mês anterior. Atualmente o produtor que vende leite agora em janeiro, por exemplo, só vai saber quanto vai receber no mês de fevereiro. A segunda definição, pede que as empresas compradoras de leite façam o pagamento do produto até o 5º dia útil do mês seguinte ao da entrega. A carta será entregue aos laticínios do estado, e os produtores seguem com a mobilização para que as reivindicações sejam aceitas.

“Isso é o início de uma proposta que já sai efetivada, assinada, que nós vamos continuar multiplicando por todo o estado de Goiás através dos Sindicatos Rurais, Cooperativas, Associações e os produtores. Mas também nós vamos ter as novas pautas de curto, médio e longo prazo, como a questão do antidumping**, do PIS/COFINS da ração para ruminantes, estímulo às exportações. Mas efetivamente é preciso um equilíbrio na produção de leite, principalmente olhando para os nossos produtores rurais que tanto tem sofrido com as oscilações de preços, que não dão margem nenhuma para que o produtor possa planejar sua atividade”, esclareceu Zé Mário.

Comentários

comentarios

ANÚNCIO