MDB vai ao TRE-GO para ter acesso aos questionários da pesquisa Serpes

ANÚNCIO

O MDB, presidido pelo deputado federal e pré-candidato a governador de Goiás Daniel Vilela, divulgou, hoje, 11, que requereu ao desembargador Carlos Escher, presidente do Tribunal Regional Eleitoral, que a empresa SERPES entregue os questionários respondidos da pesquisa divulgada neste domingo, 10, pelo jornal O Popular. A ação foi movida pelo advogado especialista em Direito Eleitoral, Colemar Moura.

Segundo a nota, o MDB, a decisão foi tomada depois que “houve um erro na coleta eletrônica e processamento dos dados” e que levou à divulgação do cancelamento do resultado divulgado para o Senado. “O partido resolveu averiguar se não houve problemas semelhantes com os demais questionários”, disse o partido, em nota.


ÍNTEGRA DA NOTA DO MDB

ANÚNCIO


“O diretório estadual do MDB protocolou nesta segunda-feira (11) petição ao presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), desembargador Carlos Escher, requerendo os questionários respondidos da pesquisa eleitoral do Instituto Serpes, publicada no último domingo. Após o próprio instituto anular os resultados das perguntas sobre 1ª e 2ª intenção de voto na disputa pelo Senado, sob a justificativa de que houve um erro na coleta eletrônica e processamento dos dados, o partido resolveu averiguar se não houve problemas semelhantes com os demais questionários.

“O fato é que a pesquisa toda ficou sob suspeição após constatado um erro crasso no que diz respeito à disputa ao Senado, cujo levantamento de 1º e 2º voto acabou sendo anulado. Então queremos conferir se a coleta eletrônica de dados não foi incorreta também nos demais questionários”, afirma o ex-vereador Agenor Mariano, pré-candidato ao Senado pelo MDB. “Existem divergências nesta pesquisa em comparação a alguns levantamentos muito recentes do próprio instituto, inclusive os que não foram divulgados, e vamos checar se trata-se de uma questão metodológica ou de algum problema com a coleta e o processamento dos dados”.

O pedido se deu com base na Resolução 23.549/2017, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que determina que “os partidos políticos e as coligações poderão ter acesso ao sistema interno de controle, à verificação e à fiscalização de coleta de dados das entidades e das empresas que divulgarem pesquisas de opinião relativas aos candidatos e às eleições, incluídos os referentes à identificação dos entrevistadores e, por meio de escolha livre e aleatória de planilhas individuais, mapas ou equivalentes, confrontar e conferir os dados publicados, preservada a identidade dos entrevistados.”

O MDB também protocolou no TRE uma representação eleitoral por divulgação divergente daquela exigida por lei, que determina prazo mínimo de 5 dias para publicação após registro da pesquisa. A multa pode chegar a R$ 106 mil.

Comentários

comentarios

ANÚNCIO