28 de fevereiro de 2024
Brasil • atualizado em 11/02/2022 às 15:51

Marca de bicicletas Monark nega vínculo com youtuber Monark e ‘Flow Podcast’

(Foto: Divulgação).
(Foto: Divulgação).

A fabricante de bicicletas Monark entrou na lista de marcas que tentam se distanciar de Bruno Aiub, também conhecido como Monark, após o youtuber defender a formalização de um partido nazista junto à Justiça Eleitoral brasileira.

Em seu site oficial, a empresa informou não ter relação com o apresentador, cujo apelido remete ao nome da marca. “Informamos não ter nenhum tipo de vínculo com o youtuber apelidado de Monark sem nenhuma autorização da nossa Companhia. Repudiamos veementemente qualquer manifestação de racismo ou conduta que possa prejudicar qualquer pessoa ou grupo social”, escreveu a empresa em nota.

Durante o programa, o youtuber defendeu o “direito” de ser antissemita. “Eu acho que tinha de ter o partido nazista reconhecido pela lei”, disse. Após as declarações, companhias vinculadas ao Flow Podcast como Ragazzo – do Grupo Habib’s -, Mondelez Brasil, Puma, iFood, Flash Benefícios e Insider também usaram as redes sociais para distanciar sua imagem do programa de áudio.

O apresentador passou a ser investigado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) por suspeita de apologia ao nazismo. Nesta quinta, no Twitter, Monark se queixou da repercussão. “Eu posso ter errado na forma como eu me expressei, mas o que estão fazendo comigo é um linchamento desumano”, publicou, ao defender que nunca apoiou a “ideologia nazista”.

Leia Também

Diante da repercussão negativa, Bruno foi demitido do Flow Podcast. Em outras ocasiões, ele contou que ficou conhecido como Monark por usar o apelido em um jogo online. “Era porque eu estava estudando monarquia no colégio”, disse em episódio do programa. Depois, segundo ele, os amigos passaram a associar o apelido à marca de bicicletas. (Estadão Conteúdo).

Leia também:


Leia mais sobre: / Brasil