19 de abril de 2024
Investigação • atualizado em 21/08/2023 às 17:35

Joalheiro de Goiânia teria pago R$ 20 mil a Mauro Cid; entenda

O remetente do depósito é o ourives Heitor Garcia Cunha, que exerce atividades em uma joalheria na capital de Goiás
Vale lembrar que Mauro Cid está sob investigação da Polícia Federal (PF) devido à suspeita de desvio de joias e relógios que foram recebidos pela Presidência da República durante viagens oficiais. (Foto: reprodução)
Vale lembrar que Mauro Cid está sob investigação da Polícia Federal (PF) devido à suspeita de desvio de joias e relógios que foram recebidos pela Presidência da República durante viagens oficiais. (Foto: reprodução)

O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), que funciona para evitar lavagem de dinheiro no Brasil, teria detectado uma transação financeira no valor de R$ 20 mil entre um ourives de Goiânia e o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL). Em meio às inúmeras investigações, o ourives afirmou, segundo o jornal O Globo, que não conhece o militar, mas um relatório de inteligência financeira mostra uma transferência no valor de R$ 20.520 para ele em 2022.

O remetente do depósito é o ourives Heitor Garcia Cunha, que exerce atividades em uma joalheria na capital de Goiás e é proprietário de um estande no “Hipercamelódromo OK” do Setor Campinas. O local é especializado em comércio de dispositivos eletrônicos.

A quebra do sigilo bancário de Heitor foi autorizada a pedido da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos atentados de 8 de janeiro, após parlamentares terem obtido os relatórios de inteligência financeira relacionados a Cunha e Mauro Cid. O ourives se defende:

“Eu nem conheço essa pessoa [Mauro Cid]. Pode ser que, em algum negócio que eu tenha feito, me passaram os dados dele para eu fazer o depósito. (…) Ontem eu vi o nome da pessoa na imprensa e relacionei ao depósito. Eu sou um comerciante. É movimentação normal minha. Sou joalheiro também”, disse Cunha ao O Globo, afirmando que “caiu de paraquedas” na história.

Leia Também

Mauro Cid, inclusive, está preso preventivamente desde maio por conta de outra investigação que apura possíveis irregularidades em relação aos cartões de vacinação dele, de Bolsonaro e de sua filha.

Leia também: Mauro Cid vai admitir a Justiça que vendeu jóias nos Estados Unidos


Leia mais sobre: Brasil

Recomendado Para Você