22 de fevereiro de 2024
Notícias • atualizado em 27/02/2021 às 12:46

Governo e prefeituras divulgam novos decretos de lockdown para os próximos sete dias

O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), ao lado do prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha (MDB) e do governador Ronaldo Caiado (DEM) no anúncio do lockdown na região metropolitana
O prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), ao lado do prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha (MDB) e do governador Ronaldo Caiado (DEM) no anúncio do lockdown na região metropolitana

Parte dos prefeitos da região metropolitana de Goiânia anunciaram seus decretos de fechamento das atividades neste sábado (27/02) no Palácio das Esmeraldas, em conjunto com o governador Ronaldo Caiado (DEM). A partir de segunda-feira (1º/03) apenas as atividades essenciais deverão funcionar.

Segundo o governador Ronaldo Caiado, todas as cidades da Região Metropolitana iriam seguir o decreto de fechamento. Entretanto, o prefeito de Senador Canedo, Fernando Pellozo (PSD) disse na manhã deste sábado (27) que não adotaria a medida no momento, mas que poderia rever a decisão à qualquer momento

Todo o comércio não essencial será fechado, assim como bares, restaurantes, teatros e cinemas. Os serviços considerados essenciais são: de saúde, o que inclui veterinários e odontológicos, supermercados, farmácias, cemitérios e funerários, distribuidoras e revendedoras de gás e combustível, supermercados, distribuidoras de água, açougues e peixarias, frutarias e verdurões. Panificadoras, padarias e confeitarias podem abrir somente para retirada e delivery. Feiras livres de hortifruti e alimentos estão permitidas desde que “observadas as boas práticas de operação” além da utilização de EPI’s por parte dos feirantes. Também não será permitido o consumo de alimentos no local.

Os estabelecimentos que atuam na venda de produtos agropecuários também podem funcionar para retirada e delivery, com agendamento prévio e 50% dos funcionários.

Leia Também

Igrejas e demais templos religiosos não poderão mais promover cultos e celebrações, mas estão liberados para atender, individualmente e com agendamento, os fiéis.

Cada município publicará seu decreto seguindo o que foi acordado entre os prefeitos e autoridades de saúde. O fechamento vale, inicialmente, por sete dias. Caso a taxa de ocupação de leitos de UTI fique abaixo de 70% por cinco dias, a abertura de alguns setores poderá ser avaliada. 


Leia mais sobre: Notícias