07 de dezembro de 2023
Saúde • atualizado em 23/08/2023 às 12:56

Especialistas dizem que ozonioterapia não deve ser usada para doenças oculares; entenda

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) afirmou que não há evidência científica “sólida” que garanta a segurança e a eficácia do tratamento
Após a recente sanção da Lei 14.648/23, que permite a profissionais de saúde prescreveram a ozonioterapia de forma complementar, muitos especialistas se manifestaram. (Foto: reprodução)
Após a recente sanção da Lei 14.648/23, que permite a profissionais de saúde prescreveram a ozonioterapia de forma complementar, muitos especialistas se manifestaram. (Foto: reprodução)

Após a recente sanção da Lei 14.648/23, que permite que profissionais de saúde prescrevam a ozonioterapia de forma complementar, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) afirmou que não há evidência científica “sólida” que garanta a segurança e a eficácia do tratamento em pessoas com doenças oculares. “A adoção dessa abordagem como terapia médica (principal ou complementar) é desaconselhada”, destacou a entidade, por meio de nota. ebcebc

Para o conselho, a análise de inúmeros trabalhos demostra que, até o momento, a ozonioterapia não tem eficácia comprovada na abordagem de doenças crônicas ou reversíveis e oferece riscos ao paciente. 

“O CBO entende que o uso amplo dessa abordagem pode potencializar problemas de saúde”, destacou a nota. Na avaliação da entidade, os médicos podem utilizar a ozonioterapia apenas como terapia experimental, dentro de protocolos de pesquisa aprovados pelo sistema formado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) e seus respectivos comitês.  

O conselho ressalta que, além de não oferecer resultados positivos, a ozonioterapia pode trazer prejuízos ao afastar o doente de outras terapias de efeito comprovado. Entre os fatores que citados está a falta de autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o uso clínico da ozonioterapia.  

Leia Também

Polêmica da ozonioterapia

“O CBO acompanhou as discussões no Congresso Nacional, apresentando preocupação com a inexistência de estudos científicos comprovando a eficiência dessa terapia na abordagem de doenças crônicas ou reversíveis e também com a disseminação de informações falsas induzindo o seu uso por pacientes de alta complexidade”, concluiu a nota.  

Outras entidades médicas externaram posição semelhante ao uso clínico da ozonioterapia, como é o caso da Associação Médica Brasileira (AMB), a Academia Nacional de Medicina (ANM) e o Conselho Federal de Medicina (CFM).

Com informações da Agência Brasil


Leia mais sobre: Saúde