19 de abril de 2024
Apreensão • atualizado em 22/08/2023 às 20:24

Em Recife, Caiado alerta que reforma pode deixar Goiás sem recursos para investimentos e reclama de falta de simulador

O chefe do Executivo goiano ainda apontou que a proposta atual pode comprometer mecanismos essenciais para o desenvolvimento regional e desequilibrar o pacto federativo
O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) expressou seu temor diante da tramitação da reforma tributária. Dessa vez, falava a um público repleto de empresários pernambucanos (Foto: Divulgação)
O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) expressou seu temor diante da tramitação da reforma tributária. Dessa vez, falava a um público repleto de empresários pernambucanos (Foto: Divulgação)

De Recife, onde participa de evento com empresários nesta terça-feira (22/08), o governador Ronaldo Caiado (União Brasil) alertou nesta que caso a reforma tributária seja aprovada, Goiás poderá ficar sem recursos suficientes para investimentos essenciais em áreas importantes como saúde, educação e segurança pública. Ele também reclamou da falta de um simulador para que a população possa fazer os cálculos dos impactos cotidianos.

“Não consigo entender como esse projeto, da forma que está, é levado para frente sem que haja uma planilha ou simulação dos prejuízos que a população terá. A pergunta que faço é: como você trata de um assunto que atinge a vida de todos sem ter um estudo concreto?”, questionou Caiado. O governador apresentou uma visão objetiva destacando ameaças iminentes ao mercado de trabalho, educação, programas sociais, melhoria do ambiente de negócios, segurança pública e infraestrutura.

O chefe do Executivo goiano ainda apontou que a proposta atual pode comprometer mecanismos essenciais para o desenvolvimento regional e desequilibrar o pacto federativo, centralizando decisões tributárias que tradicionalmente pertencem a estados e municípios. Da forma como está, restaria a um conselho federal, a ser criado, definir recursos para compensar essas perdas. 

É que com a aprovação do atual modelo que está em discussão no Senado Federal, a cobrança de impostos passa a ser concentrada em estados que são grandes consumidores e não produtores, como é o caso de Goiás, além de provocar a transferência de grandes indústrias de estados em desenvolvimento justamente para os grandes centros. O que pode ocasionar perda de empregos nessas regiões. 

Leia Também

“Se estamos avançando nestes setores, com o nosso PIB registrando mais que o dobro do índice nacional [Goiás cresceu 6,6% em 2022, enquanto o país avançou 2,9%], foi por termos autonomia de gestão, saber direcionar as áreas que devemos investir para conseguir um melhor desenvolvimento. Isso é política de Estado. O povo, por meio do voto, nos deu esse poder de gestão. Então, não se pode retirar de governadores e prefeitos essas prerrogativas constitucionais que lhes são dadas”, explicou Caiado. 

O governador de Goiás disse que sua atuação é em defesa de todos os goianos. “Nós temos de ter uma política regional, que não está sendo analisada com esse projeto de reforma tributária”, reforça. E pontua os prejuízos. “Os 102 municípios mais produtivos de Goiás, grandes produtores em agropecuária, indústria, mineração, com presença de montadoras, vão perder quase R$ 1,5 bilhão ao ano”, projetou.


Leia mais sobre: Política

Recomendado Para Você