25 de fevereiro de 2024
São Paulo • atualizado em 31/07/2023 às 20:19

Caiado pede sessões para a reforma tributária ser discutida em agosto

Governador de Goiás participou do debate promovido pelo Instituto Unidos Brasil, em São Paulo
Ronaldo Caiado afirmou que novos tributos sobre o consumo criados pela PEC terão uma alíquota de 29%. (Foto: reprodução)
Ronaldo Caiado afirmou que novos tributos sobre o consumo criados pela PEC terão uma alíquota de 29%. (Foto: reprodução)

Durante sua presença em São Paulo para o debate sobre a reforma tributária promovido pelo Instituto Unidos Brasil nesta segunda- feira (31), o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (UB) voltou a explicar os motivos pelos quais é contra o texto que está em tramitação no Congresso Nacional. O chefe do Executivo goiano, que ganhou destaque como opositor da PEC 45/2019, porém, também pediu para que houve sessões temáticas para discutir a proposta, que será votada no Senado.

“Isso aqui é uma amostra que vocês estão levando ao conhecimento de toda a população brasileira daquilo que infelizmente a Câmara dos Deputados não fez. Eu espero que os senhores senadores possam exatamente requerer no início do mês de agosto sessões temáticas no plenário do Congresso Nacional para debater com a relevância que o assunto merece”, ainda pediu o governador de Goiás em seu discurso.

Caiado também foi destaque em uma reportagem da Folha de S.Paulo onde diz que os novos tributos sobre o consumo criados pela reforma tributária terão uma alíquota de 29%, segundo dados do instituto de estatísticas do governo de Goiás. Foi o que o governador apresentou no evento de hoje.

“Quem tiver mais padrinho e votos na hora vai dar conta de fazer o texto do Senado Federal, como foi na Câmara. E como é que ficam os outros setores?”, disse o governador de Goiás, reforçando ser um dos principais opositores ao texto como está e que foi aprovado na Câmara no início do mês, antes do recesso dos deputados federais.

Leia Também

No evento, além de Caiado, também compareceram os senadores Laércio Oliveira (SE), Sérgio Moro (PR), Efraim Filho (PB), Alan Rick (AC), o economista-chefe da Warren e ex-secretário da Fazenda e Planejamento de São Paulo, Felipe Salto e a senadora Soraya Thronicke (PODEMOS/MS).

Moro, inclusive, chegou a propor, em seu discurso, que a reforma dos tributos sobre o consumo não deveria tratar da tributação do patrimônio. O senador se mostrou contra a possibilidade de aumento da arrecadação com IPTU (imposto sobre imóveis), ITCMD (heranças e doações) e IPVA (veículos). Para o parlamentar, isso é apenas uma intenção do governo federal de aumentar a carga tributária com a reforma.


Leia mais sobre: Política