Confirmada greve dos servidores da saúde de Aparecida de Goiânia na segunda, 11

A decisão foi tomada no último dia 5 durante assembleia geral dos servidores da saúde da prefeitura de Aparecida de Goiânia. Sem avanços nas negociações entre o Sindsaúde – Sindicato dos Servidores da Saúde – e a prefeitura de Aparecida de Goiânia, os funcionários confirmaram que vão cruzar os braços por tempo indeterminado a partir de segunda-feira (11).

LEIA TAMBÉMSó 1,31% – Aprovado reajuste dos servidores da prefeitura de Aparecida de Goiânia

Segundo o Sindsaúde, os trabalhadores estarão concentrados em frente ao Centro de Atenção Integral à Saúde (Cais) Nova Era, a partir das 8 horas. A unidade será um dos pontos de concentração dos grevistas até o fim do movimento.

ANÚNCIO


Em nota, assessoria de imprensa da secretaria de saúde da cidade informou que “a Prefeitura de Aparecida está dialogando continuamente com o Sindsaúde e espera resolver conjuntamente todos os apontamentos da categoria, da melhor forma possível, sem prejuízos à população.

Atendimento de urgência

No período da greve, segundo o sindicato, serão mantidos os serviços de urgência e emergência conforme determina a Lei de Greve. A paralisação poderá afetar serviços prestados pelos Centros de Atendimento Integral à Saúde; Unidade de Pronto Atendimento; Programa de Saúde da Família; Maternidade Marlene Teixeira; Centro de Especialidade Médica; Núcleos de Apoio à Saúde da Família e Vigilância Epidemiológica.

Para a entidade sindical, “apesar das exaustivas tentativas de diálogo, a gestão continua relutante em negociar as reivindicações referentes à Lei do Plano de Carreira (85/2014) e a outros direitos do servidor, os trabalhadores da Saúde”.

“Tentamos evitar que a situação em Aparecida de Goiânia culminasse em uma paralisação, mas a falta de empenho da gestão não deixou alternativas”, ressaltou a presidente do Sindsaúde, Flaviana Alves.

Reivindicações

Os servidores reinvidicam que a administração de Gustavo Mendanha cumpra a Lei, inclusive aplicando imediatamente a progressão funcional prevista no plano já que o prejuízo acumulado sob o salário passa dos 12%. Garantir os direitos da categoria, oferecendo melhores condições de trabalho, também é assegurar ao usuário do SUS, condições adequadas de atendimento.

LEIA TAMBÉM: O desastre da reforma trabalhista


As reivindicações dos servidores da saúde:

1. Progressão Imediata do plano de carreira com pagamento retroativo;

2. Melhores condições de trabalho e de assistência;

3. Prorrogação da lei e reajuste da gratificação do plano de carreira.

4. Pagamento da gratificação de Insalubridade aos Agentes Comunitários de Saúde, dentre outras categorias;

5. Criação da gratificação para supervisores dos Agentes de Combate às Endemias;

6. Correção do valor da data-base 2018. O índice aplicado pela prefeitura foi de 1,31% enquanto deveria estar entre 2,40% e 2,80%.

7. Vale-alimentação;

8. Vale-transporte.


 

Comentários

comentarios

ANÚNCIO