Iris Rezende na Record (Foto Divulgação)
ANÚNCIO

O custo da coleta, varrição e outras áreas da Comurg tem que sofrer uma redução de R$10 milhões, segundo o prefeito de Goiânia, Iris Rezende Machado.  A gestão já anunciou a demissão de 700 funcionários que já estavam na condição de aposentados, mas que não foram afastados por causa do pagamento dos direitos. Agora, a prefeitura planeja parcelar em 10 vezes.

“Com muita prudência, calejado que sou da política, passamos a estudar a situação da Comurg. No primeiro momento será a retirada dos aposentados que acumulam dois vencimentos. Estamos discutindo como vamos indenizar esses funcionários. Vamos pagar os direitos em 10 vezes iguais. E vamos tomar outras atitudes, em relação a tudo para que a prefeitura tenha condição de, cobrando imposto do povo, voltar este valor em benefício para todos”, disse ele, em entrevista à TV Record.

A gestão

ANÚNCIO


O primeiro ano de gestão, de acordo com o prefeito, foi de reorganização da administração municipal, mas que as obras estão voltando. “Encontrei praticamente todas as obras paradas. Quando assumi a prefeitura, a cidade estava cheia de buracos. As empresas suspenderam os serviços, mas temos uma empresa tapando buracos noite e dia. Temos asfaltos de quase 60 anos, mas as chuvas estão terminando e não vamos ver mais nenhum buraco nas ruas de Goiânia”.

Para que sejam realizados serviços definitivos em relação à massa asfáltica de todos os bairros, e asfaltamento onde ainda não existe, a administração anterior deu início a um projeto de financiamento junto ao Banco Andido, mas a burocracia na área federal impediu o financiamento. “Vou continuar lutando para que todo o asfalto seja refeito, assim como trabalhar incansavelmente em todas as áreas, como na saúde, para que Goiânia tenha o melhor sistema de saúde do Brasil”, completou o prefeito.

Questionado sobre as obras na Marginal Botafogo, o prefeito lembrou que a via foi construída há muito tempo e que, 10, 15 anos atrás, as áreas de escoamento da cidade eram maiores, mas com a expansão urbana, restaram poucos espaços para absorção das chuvas, e um grande volume de água vai parar no leito do córrego.

“Já contratamos a empresa que vai realizar os reparos, firmamos parcerias e, então, daqui a dois meses, aproximadamente, com o período de estiagem, vamos começar a reconstrução da marginal, para que nos próximos períodos de chuva não tenhamos mais transtornos nesta via essencial da cidade”, destacou Iris Rezende.

Outra grande obra que será retomada nos próximos dias na capital é o BRT. “Quando assumi a prefeitura, a obra já estava paralisada há sete meses. Juntamos os seis milhões da contrapartida, pagamos, e reiniciamos as obras. Nos reunimos com o Ministério das Cidades, a Caixa e o Ministério Público e assinamos agora, com a presença do presidente da república, para voltar a obra em duas etapas”, disse o prefeito.

Segundo ele, a retomada será pela parte norte, já nos próximos dias, e o objetivo da prefeitura é terminar esta etapa ainda este ano para que o povo de Goiânia tenha mais conforto. A parte norte vai permanecer com o mesmo contrato. Já para a parte sul, segundo trecho a ser finalizado, será feita uma nova licitação.

Comentários

comentarios

ANÚNCIO