Castramóvel de Anápolis: Vereadora desfaz confusão sobre emenda de Baldy

A implantação do “castramóvel” em Anápolis tem emenda do deputado federal Alexandre Baldy no valor de R$240 mil reais. Na cidade, a vereadora Thais Souza (PSL), rebateu, na Câmara Municiapl, rumores de que ela, juntamente com o prefeito Roberto Naves (PTB), teriam se apropriado de uma emenda do autor.

Segundo o site Linha Editorial, o “castramóvel, projeto de Thais Souza para castração de animais com o objetivo de eliminar riscos para a saúde pública, aguarda encaminhamento do Executivo para sua concretização.

“Nossa obrigação é vir aqui trazer clareza”, explicou sobre o boato de que ela e Roberto Naves poderiam estar se apropriando da verba.

ANÚNCIO


“Essa emenda parlamentar não foi paga”, afirmou Thais e mostrou para os demais vereadores um documento que comprova que o valor da emenda de Alexandre Baldy ainda não foi liberado.

No site da Prefeitura consta que a emenda está aprovada e que o projeto atende a requisitos do Ministério da Saúde, faltando ainda a liberação do recurso.

Em abril deste ano, durante inauguração da ampliação do Hospital de Urgências de Anápolis, um cheque simbólico foi entregue pelo então deputado Alexandre Baldy, hoje ministro das cidades.

“Escutei em vários lugares da cidade que a vereadora e o prefeito Roberto Naves teriam pego o dinheiro”, lamentou.

Para desfazer a confusão, disse ela:

– “Vereador não pega cheque, não pega emenda parlamentar. Prefeito não pega cheque, não pega emenda parlamentar”, disse.

O vereador Lélio Alvarenga, do PSC, saiu em defesa de Thais Souza e lembrou que o cheque “é só simbólico, porque na verdade (o pagamento) não aconteceu”.

Jakson Charles (PSB) elogiou o trabalho de Thais “em defesa dos indefesos” e comentou que a utilização das redes sociais, “infelizmente, ela vem sendo utilizada prostituída”.

“O seu nome e o nome do prefeito foram levados por um motivo que não é o motivo correto”, continuou. Ele defendeu que este tipo de entrega simbólica de cheques “tem que acabar”, pois se trata de “política extemporânea”.

“Essas pessoas que mostraram o cheque, que corram atrás para pagar o cheque”, bradou ainda Jakson Charles.


(Com informações do site A Linha Editorial, de Anápolis)

Comentários

comentarios

ANÚNCIO